Brasil está em luto. Foi exemplo de luta pela vida e de acima de tudo um exemplo de homem.
Morreu nessa tarde de terça-feira (29/03) às 14:41h, aos 79 anos em São Paulo, depois de uma luta de mais de 13 anos contra o câncer, o ex-presidente José Alencar. A causa da morte foi em decorrência do câncer e de falência múltipla dos orgãos. O velório será nesta quarta-feira (30/03) no Palácio do Planalto, em Brasília e na quinta-feira (31/03) o corpo vai para Belo Horizonte onde também será velado no Palácio da Liberdade. A família ainda não decidiu se o corpo será enterrado ou cremado. Era desejo de Alencar ser cremado. Alencar era casado com Mariza Campos Gomes da Silva, pai de três filhos –Josué Christiano, Maria da Graça e Patrícia — e avô de cinco netos (em 2001 ele passou a responder a um processo de reconhecimento de paternidade ajuizado por Rosemary de Moraes).
Durante o tratamento de mais de treze anos contra o câncer, Alencar foi submetido a 17 cirurgias, perdeu um rim, dois terços do estômago e partes dos intestinos delgado e grosso.
 Ele estará no nosso coração e no de todos os brasileiros. Ele deu tantos bailes nos médicos que achamos que ele poderia aguentar mais. A nossa gratidão a ele é eterna.
O Brasil deve muito a ele e à ternura dele

Gilberto Carvalho, secretário-geral
da Presidência da República
Em novembro de 2009, Alencar garantiu que se a saúde permitisse seria candidato ao Senado. No início do ano passado, cogitou tentar o governo de Minas Gerais. Porém, em abril, afirmou que não disputaria cargos por estar em tratamento de quimioterapia contra o câncer. “Decidi não me candidatar a nada. Vou cumprir o meu mandato até o último dia, se Deus quiser, e descer a rampa da mesma forma que subi. Subi a rampa com ele [Lula], vou descer com ele. Ele também não se afastou, vamos juntos”, disse na ocasião. Proibido pelos médicos, ficou no hospital enquanto Dilma e seu sucessor, Michel Temer, recebiam o cargo no Palácio do Planalto.

De trajetória simples Alencar sempre foi um exemplo de luta, determinação e coragem. Filho de um pequeno comerciante de Muriaé, José Alencar Gomes da Silva começou a trabalhar cedo e deixou a família quando tinha 14 anos para empregar-se numa loja na sede do município de Muriaé (MG).
Em 1947, atrás de um emprego melhor, mudou-se para Caratinga, cidade em que conheceu Mariza, com quem se casou. Aos 18 anos, foi emancipado pelo pai (na época, a maioridade civil ocorria aos 21 anos) e, com apoio financeiro de um irmão, abriu uma loja na cidade.
Hoje, a Coteminas S.A., controlada pela família de Alencar, é a maior empresa do setor têxtil do país e um dos mais importantes grupos econômicos do Brasil.
Alencar causou surpresa, à esquerda e à direita, ao aceitar a posição de vice na vitoriosa chapa de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República, na campanha de 2002. Quatros anos depois, foi reeleito vice-presidente.
Sempre lutou contra os juros altos e quando foi preciso, criticou o governo que fazia parte. Junto com Lula fez funcionar o governo capital-trabalho e foi muito importante no diálogo com empresários.
Um exemplo de bondade, honestidade, humildade, luta pela vida, garra por seus objetivos e ideais. Vários adjetivos para descrever esse exemplo de homem que motivou vários brasileiros e vai fazer muita falta.
O Brasil chora sua morte e com certeza cada brasileiro que acompanhou sua luta hoje se sentiu triste derrotados junto com Alencar. O câncer venceu o guerreiro, mas ele passou da vida para a história com muita dignidade.
Descanse em paz Alencar.

Você não sabe o que é a morte, então você não tem de ter medo da morte. Você tem de ter medo é da desonra, dela você tem de ter medo, isso mata você.”
Alencar, em 30 de dezembro de 2007
Anúncios